O pensamento diplomático brasileiro em relação aos Estados Unidos durante os governos Cardoso e Lula: acomodacionistas x revisionistas

The Brazilian diplomatic thought in regarding to the United States during Cardoso and Lula Governments: situationists x revisionists

  • Leandro Wolpert dos Santos Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Pensamento diplomático

Resumo

O objetivo deste artigo consiste em retratar um dos principais debates intelectuais que produziu cisões no pensamento diplomático brasileiro a partir dos anos 90, especialmente durante os governos Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Lula da Silva (2003-2010), a saber: o tipo de relacionamento a ser estabelecido com os Estados Unidos. Para tanto, mostraremos de que forma este debate se manifestou, as correntes de pensamento por ele engendradas no interior do Itamaraty, o conjunto de crenças e percepções que sustentaram tais correntes no período em estudo bem como as estratégias de política externa delas oriundas. Os resultados da pesquisa apontam que, neste período, duas tendências se mostraram dominantes no Itamaraty, embora em momentos distintos. A primeira, que damos o nome de acomodacionista, teria predominado durante a administração Cardoso e defendia uma posição de maior aproximação aos EUA, no marco de uma estratégia de acomodação à ordem internacional liderada pela potência hegemônica. A segunda corrente, que chamamos de revisionista, teria ganho proeminência na administração Lula, e preconizava maior autonomia frente à potência hegemônica, com quem o relacionamento brasileiro devia se sustentar na igualdade irrestrita, dentro de uma lógica de equilíbrio de poder. Essa posição de distância relativa frente os EUA se enquadrava em uma estratégia de “multipolarização” ou desconcentração do poder mundial e de revisionismo da ordem internacional vigente. O desenvolvimento da pesquisa ancorou-se fundamentalmente na investigação de discursos, entrevistas, depoimentos, livros e artigos das principais autoridades a frente do Itamaraty (chanceleres e embaixadores) no período em estudo.

Palavras-chave: Pensamento Diplomático; Política Externa Brasileira; Estados Unidos.

 

 

Abstract: The objective of this article is to portray one of the main intellectual debates that produced divisions in Brazilian diplomatic thought starting in the 1990s, especially during the Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) and Lula da Silva (2003-2010) governments, namely: the kind of relationship to be established with the United States. To do so, we will show how this debate manifested itself, the currents of thought generated by it within the Itamaraty, the set of beliefs and perceptions that underpinned these currents in the period under study as well as the foreign policy strategies that came from them. The results of the research indicate that, during this period, two tendencies were dominant in Itamaraty, although at different moments. The first, which we call the accommodationist, would have predominated during the Cardoso administration and advocated a position of greater approximation to the United States, within the framework of a strategy of accommodation to the international order led by the hegemonic power. The second current of thought, which we call revisionist, would have gained prominence in the Lula administration, and advocated greater autonomy against the hegemonic power, with whom the Brazilian relationship should be based on unrestricted equality, within a balance of power logic. This relative distance from the US was part of a strategy of "multi-polarization" or deconcentration of world power and revisionism of the current international order. The development of the research was fundamentally based on the investigation of speeches, interviews, testimonies, books and articles of the main authorities in front of the Itamaraty (chancellors and ambassadors) during the period of study.

Keywords: Diplomatic Thought; Brazilian Foreign Policy; United States.

 

 

Recebido em: agosto/2017

Aprovado em: abril/2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Wolpert dos Santos, Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Doutorando em Cência Política no Insituto de EstudosSociais e Políticos (IESP) da Universidae Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Integrante dos grupos de pesquisa OPSA (Observatório Político Sul-Americano), NEAAPE (Núcleo de Estudos Atores e Agendas de Política Externa) e GAEP (Grupo de Análise de Política Externa).

Referências

ABDENUR, Roberto. Nem na Ditadura. In: Revista Veja, páginas amarelas, n. 1994, 7 de fevereiro de 2007;
ALONSO, Angela. Joaquim Nabuco: diplomata americanista. In: (Org.) PIMENTEL, José Vicente de Sá. Pensamento diplomático brasileiro: formuladores e agentes da política externa (1750-1950). Brasília: FUNAG, 2013;
AMORIM, Celso. A Reforma da ONU. In: IEA – Instituto de Estudos Avançadas da Universidade de São Paulo. Conferência proferida no IEA em 2 de abril de 1998a;
______________. Entre o Desequilíbrio Unipolar e a Multipolaridade: o Conselho de Segurança da ONU no Período Pós-Guerra Fria. IEA – Instituto de Estudos Avançadas da Universidade de São Paulo. Texto do evento realizado no IEA “O Brasil e as Novas Dimensões da Segurança Internacional”, no dia 11 de setembro de 1998b;
______________. Entrevista do Embaixador Celso Amorim. In: Gazeta Mercantil, 18 de dezembro de 2002;
______________. Discurso no Debate Geral da 64ª Sessão da Assembléia-Geral das Nações Unidas - Nova York, 23/09/2009. In: Resenha de Política Exterior do Brasil, a. 29, n. 105, 2º semestre, 2009, pp. 101-104;
AMORIM, Celso. Brazilian Foreign Policy under President Lula (2003-2010): an overview. In: Revista Brasileira de Política Internacional; Brasília, v. 53, special edition, 2010, pp. 214-240;
______________. Conversas com Jovens Diplomatas. São Paulo: Benvirá, 2011, 600p;
______________. Entrevista concedida ao autor. Rio de Janeiro, 2 de dezembro de 2015a;
______________. Grande Estratégia: Política Externa e Defesa em um Mundo em Transformação. In: Austral: Revista Brasileira de Estratégia e Relações Internacionais. Porto Alegre; v.4, n.7, Jan./Jun. 2015b,pp.9-21;
______________. A grande estratégia do Brasil: discursos, artigos e entrevistas da gestão no Ministério da Defesa (2011-2014) / Celso Amorim; Antonio Jorge Ramalho da Rocha... [et al] (editores). - Brasília: FUNAG; [São Paulo]: Unesp, 2016;
AMORIM, Celso; FELDMAN, Luiz. A Política Externa do Governo Lula em Perspectiva Histórica. In: DANTAS, San Tiago. Política Externa Independente Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011;
BARBOSA, Rubens. A Política Externa do Brasil para a América do Sul e o Ingresso da Venezuela no Mercosul. In: Interesse Nacional, abril/junho, 2008;
_________________. FHC e Lula, políticas externas divergentes. In: Folha de São Paulo (ilustríssima), 29 de novembro de 2015;
BBC BRASIL. Rubens Barbosa vê ideologização na política externa, 14 de março de 2008. Disponível em: http://noticias .uol.com .br/bbc/ repórter /2008/03/14/ult4904u473.jhtm. Acesso em: 03/08/2017;
CRUZ, José Humberto de Brito. A questão do poder nacional e o debate sobre a política externa. In: Política Externa, v. 23, n. 1, 2014, pp. 125-150;
DANTAS. San Tiago. Política Externa Independente. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011;

DÁVILA, Sérgio. Mudança no governo Lula começa por Embaixada de Washington. In: Folha de São Paulo, Washington, 1º de novembro de 2006;
FARIA, Carlos Aurélio Pimenta de. Opinião pública e política externa: insulamento, politização e reforma na produção da política exterior do Brasil. In: Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília: v. 51, n. 2, 2008, pp. 80-97
__________________________________. O Itamaraty e a Política Externa Brasileira: Do Insulamento à Busca de Coordenação dos Atores Governamentais e de Cooperação com os Agentes Societários. In: Contexto Internacional. Rio de Janeiro: v. 34, n.1, 2012, pp. 311-355;
FONSECA JR. Gelson. A Legitimidade e Outras Questões Internacionais: poder e ética entre as nações. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998;
GUIMARÃES, Samuel Pinheiro. Quinhentos Anos de Periferia: uma contribuição ao estudo da política internacional. 3 ed. Porto Alegre/Rio de Janeiro: Ed. Universidade/UFRGS/Contraponto, 2001a;
__________________________. Inserção Internacional do Brasil. In: Economia e Sociedade. Campinas; v. 17, 2001b, pp. 1-31;
__________________________. Desafios brasileiros na era dos gigantes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005;
HIRST, Monica; PINHEIRO, Letícia. A política externa do Brasil em dois tempos. In: Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília; v. 38, n. 1, 1995, pp. 5-23;
LAFER, Celso. Brasil: dilemas e desafios da política externa. In: Estudos Avançados. São Paulo; v. 14, n. 38, 2000, pp. 260-267;
____________. Aula Ministrada no Instituto Rio Branco pelo Senhor Ministro de Estado das Relações Exteriores, Professor Celso Lafer. Brasília, 12 de Abril de 2001. In: Resenha de Política Exterior do Brasil, a. 28, n. 88, 1º semestre, 2001, pp. 103-110;
____________. A Identidade Internacional do Brasil e a Política Externa Brasileira: passado, presente e futuro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004;
LAMPREIA, Luiz Felipe. O Mundo – Geografia e Política Internacional. In: O Boletim, agosto de 1995a;
______________________.Discurso do Senhor Ministro de Estado das Relações Exteriores, Embaixador Luiz Felipe Lampreia, na Aberturados Trabalhos da 50ª Assembléia Geral das Nações Unidas.Nova York, 25 de setembro de 1995. In: Resenha de Política Exterior do Brasil, a. 22, n. 77, 2º semestre, 1995b;
______________________. Conferência do Ministro de Estado das Relações Exteriores, Embaixador Luiz Felipe Lampreia, na Escola de Guerra Naval sobre o tema “A Política Externa Brasileira”, Rio de Janeiro, 29 de março de 1996. In: Resenha de Política Exterior do Brasil, a. 23, n. 78, 1º semestre, 1996a, 137-151;
_____________________. Palestra do Ministro das Relações Exteriores, Embaixador Luiz Felipe Lampreia, no III Encontro Nacional de Estudos Estratégicos, sobre o tema “O Brasil e o Mundo no Século XXI — Uma Visão do Itamaraty”, Rio de Janeiro, 14 de outubro de 1996. In: Resenhas de Política Exterior do Brasil, a. 23, n. 79, 2º semestre, 1996b, pp. 109-118;
______________________. Pronuciamento do Ministro de Estado das Relações Exteriores, Embaixador Luiz Felipe Lampreia, na abertura do Seminário “Globalização: O que é e quais as suas principais implicações”, promovido pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 23 de maio de 1996. In: Resenha de Política Exterior do Brasil, a. 23, n. 78, 1º semestre, 1996c, pp. 231-234;
_____________________. A política externa do governo FHC: continuidade e renovação. In: Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília; v. 42, n. 2, 1998a, pp. 5-17;
LAMPREIA, Luiz Felipe. Exposição do Embaixador Luis Felipe Lampreia, Ministro de Estado das Relações Exteriores, no X Fórum Nacional “As perspectivas da situação mundial e a política externa do Brasil”. Rio de Janeiro, 12 de maio de 1998. In: Resenha de Política Exterior do Brasil, a. 25, n. 82, 1º semestre, 1998b, pp. 51-59;
_____________________. Diplomacia brasileira: palavras, contextos e razões. 2 ed. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 1999, 420p.;
_____________________. O Brasil e os Ventos do Mundo: Memórias de cinco décadas na cena internacional. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010a;
_____________________. Luiz Felipe Lampreia (depoimento, 2008). Rio de Janeiro: CPDOC, 2010b;
_____________________. Agenda para a Política Externa no Governo Dilma. In: Interesse Nacional, n. 13, abril-junho 2011;
LIMA, Manoel Oliveira. Pan-Americanismo. Rio de Janeiro; H. Garnier, 1907;
LIMA, Maria Regina Soares de. Ejes analíticos y conflicto de paradigmas en la política exterior brasileña. In: América Latina/Internacional. Buenos Aires, 1(2), outoño/invierno, 1994;
__________________________. A política externa brasileira e os desafios da cooperação Sul-Sul. In: Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília; v. 48, n. 1, 2005, pp. 24-59;
__________________________. As aspirações do Brasil na Política Exterior. Mimeo, 2012;
LOPES, Dawisson Belém. A política externa brasileira e a “circunstância democrática”: do silêncio respeitoso à politização ruidosa. In: Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília: v. 54, n. 1, 2011, pp. 67-86;
MELLO E SILVA, Alexandra de. O Brasil no Continente e no Mundo: atores e imagens na política externa contemporânea. In: Revista Estudos Históricos. v.8, n.15, 1995, pp.95-118.
MILANI, C. R. S; PINHEIRO, Letícia. Política Externa Brasileira: Os Desafios de sua Caracterização como Política Pública. In: Contexto Internacional. Rio de Janeiro: v. 35, n.1, 2013, pp. 11-41;
SILVA, André Luiz Reis da. Do Otimismo Liberal à Globalização Assimétrica: A Política Externa do Governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Tese de Doutorado --- Programa de Pós Graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, 2008, p. 360;
SILVEIRA, Helder Gordim da. Manoel de Oliveira Lima: A reforma do serviço diplomático. In: (Org.) PIMENTEL, José Vicente de Sá. Pensamento diplomático brasileiro: formuladores e agentes da política externa (1750-1950). Brasília: FUNAG, 2013;
VARGAS, J. A. C. Individuals and Ideas in Itamaraty: The role of diplomatic thought in Brazilian Foreign Policy. Comunicação apresentada em ABRI/ISA Joint Conference, Rio de Janeiro, 2009.
Publicado
2018-05-27
Seção
Artigos