A Política de Comércio Internacional Agrícola de Brasil e Estados Unidos no Contencioso do Algodão na OMC (2002-2005)

The International Agricultural Trade Policy of Brazil and United States in Cotton Dispute on the WTO (2002-2005)

Palavras-chave: OMC

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender o modus operandi dos instrumentos e mecanismos institucionais no Brasil e nos Estados Unidos de formulação da política de comércio internacional agrícola centrada em três variáveis: a) mobilização de interesses, b) funcionamento de instituições e c) divulgação de informações. Como exemplo, utilizaremos o contencioso do algodão na Organização Mundial do Comércio contra os Estados Unidos, desencadeado por uma coalizão de países em desenvolvimento e Países de Menor Desenvolvimento Relativo sob liderança do Brasil entre 2002 e 2005.

Palavras-chave: Brasil e Estados Unidos; Política de Comércio Internacional; OMC; Agricultura; Contencioso do algodão.

 

 

Abstract: This article´s objective is undertand of the modus operandi of the institutional mecanisms and instruments in Brazil and the United States in the formulation of international agricultural trade policy, focused on three variables: a) interest´s mobilization b) institutional management and c) information press. As an example, will be used the cotton dispute on the WTO against the United States, which took place by a strike of the developed countries and the least developed countries under Brazil´s lidership between 2002 and 2005.

Key words: Brazil and United States; International Trade Policy; WTO; Agriculture; Cotton Dispute.

 

 

Recebido em: dezembro/2017

Aprovado em: maio/2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Fernandes de Oliveira, Unesp-Marília
Livre Docente pela UNESP/Campus de Marília e Doutor em Ciência Política pela USP, Professor de Relações Internacionais da UNESP/Campus de Marília, Coordenador do Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPQ GEPRI (Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais – www.igepri.org) e Pesquisador da Rede de Pesquisa em Política Externa e Regionalismo. É Bolsista PQ – Nível 2 do CNPQ.
Camilla Silva Geraldello, Universidade de São Paulo
Doutoranda em Ciência Política pela FFLCH-USP. Editora-Assistente da Brazilian Journal of International Relations (BJIR). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais "San Tiago Dantas", UNESP, UNICAMP, PUC/SP. Graduada em Relações Internacionais pela FFC-Unesp/Marília. Fez parte da Equipe Editorial do Pontes - Informações e Análises sobre Comércio e Desenvolvimento Sustentável do International Centre of Trade and Sustainable Development (ICTSD). Pesquisadora do Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais (IGEPRI); do Grupo de Estudos Interdisciplinares sobre Cultura e Desenvolvimento (GEICD); da Equipe de Relações Internacionais do Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (CEDEC); e da Rede de Pesquisa em Política Externa e Regionalismo (REPRI).

Referências

ADLER, E. (1997), “Seizing the middle ground: constructivism in world politics”. European Journal of International Relations (London), v.3, n.3.
ALMOND, G., DALTON, R., POWELL, G.B., e STROM, K. (2006), “Interest articulation” e “Interest aggregation and political parties”, in Comparative Politics Today, New York, Pearson / Longman.
ANUNCIATO, R. O. “A atuação da EMBRAPA no Projeto Estruturante para o COTTON-4: a influência da Cooperação Sul-Sul na Política Externa Brasileira”. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS INTERNACIONAIS (SEBREEI) – O Atlântico Sul como Eixo da Inserção Internacional do Brasil. 21 a 23 de Maio, Porto Alegre/RS, Brasil, 2013.
BARRAL, W.; AMARAL, R. Fim do contencioso do algodão: lições de uma disputa na OMC. RBCE,
nº 122, Janeiro/Março de 2015.
BROWNE, W. P. (1995), Cultivating Congress: constituents, issues, and interest in agricultural policymaking. Kansas: University Press of Kansas.
CAPORASO, J. A. (1997), “Across the Great Divide: integrating comparative and international politics”. International Studies Quarterly, Vol. 41, nº. 4.
CARVALHO, M. I. V. (2010), “Condicionantes internacionais e domésticos: O Brasil e o G-20 nas negociações agrícolas da Rodada Doha”. Dados [online]. Vol.53, n.2, pp. 405-445.
CHECKEL, J. T. (1998), “The constructivist turn in international relations theory”. World Politics (New York), n.50.
CROSS, K. H. (2006), “King Cotton, developing countries and the ‘peace clause’: the WTO’s US Cotton subsidies decision”. Journal of International Economic Law nº 9, vol. 1.
DINIZ, S. “O senado federal e a deliberação de atos internacionais no presidencialismo brasileiro”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais (Impresso), v. 27, p. 169-184, 2012.
FARIA, C. A. P. “O Itamaraty e a política externa brasileira: do insulamento à busca de coordenação dos atores governamentais e de cooperação com os agentes societários”. In: Contexto Internacional , v. 34, n. 1, 2012.
FARIAS, R. S. “Industriais, Economistas e Diplomatas: o Brasil e as Negociações Comerciais Multilaterais (1946-1967)”. Brasília: UNB. Tese de Doutorado, 2012.
FOLHA DE S. PAULO (Redação). (2004), Bush arma contra-ataque à vitória do Brasil. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 de abr. 2004. Disponível em . Acesso em 29 abr. 2004.
___________________. (2004), “Vitória do país é comemorada pelos africanos”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 de junho de 2004. Disponível em . Acesso em 19 jun. 2004.
FORJAZ, M. C. S. “O Congresso Nacional e a política externa (1999-2006)”. In: MOISÉS, J. Á. (Org.). O papel do Congresso Nacional no presidencialismo de coalizão. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer Stiftung, 2011.
GROSSMAN, G. M. e HELPMAN, E. (2002), Interest Groups and Trade Policy. Princeton: Princeton University Press.
HAAS, P. M. (1992), “Introduction: Epistemic Communities and International Policy Coordination”. International Organization, 46, 1-37.
HART, C. E.; BABCOCK, B. A. (2002), U.S. farm policy and the World Trade Organization. How do they match up? Iowa: Iowa State University / Center for Agricultural and Rural Development.
HOLLINGSWORTH, J. R.; SCHMITTER, P. C., STREECK, W. Eds. (1994), Governing capitalist economies. Performance and control of economic sectors. Oxford e Nova Iorque: Oxford University Press.
JANK, M. S. et al.. “Agricultura”. Em THORSTENSEN, Vera e JANK, Marcos S. (coord.). (2005), O Brasil e os grandes temas do comércio internacional. São Paulo: Lex Editora e Aduaneiras.
JANK, M. S., ARAÚJO, L. e DIAZ, J. (2004), “The Wto Dispute Settlement Mechanism in Perspective: Challenging Trade-Distorting Agricultural Subsidies”. Em LACARTE, Julio;
GRANADOS, Jaime. (Orgs.). Inter-Governamental Trade Dispute Settlement: Multilateral and Regional Approaches. Vol. 1. London: Cameron May.
KEOHANE, R. O.; MACEDO, S.; and MORAVCSIK, A.. “Democracy Enhancing Multilateralism. In: International Organization, 63, pp 1-31, 2009.
LAFER, C. (2001), Discurso pronunciado em sua posse como Ministro de Relações Exteriores brasileiro. Brasília.
LIMA, T. (2005), “As relações entre Executivo, Legislativo e grupos de interesse norte-americanos no contencioso do algodão”. Cadernos CEDEC, nº 73. CEDEC: São Paulo.
_______. (2008), “Desafios internacionais à política agrícola norte americana: o contencioso do algodão entre Brasil e Estados Unidos e o CAFTA-DR”. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais ‘San Tiago Dantas’ Unesp – Unicamp – PUC/SP. São Paulo.
LIMA, Thiago. A manutenção da política agrícola protecionista dos países desenvolvidos como um interesse estratégico. In.: Anais III Simpósio de Pós-Graduação em Relações Internacionais, San Tiago Dantas, da UNESP, UNICAMP e PUC-SP, 08 - 11 Nov., 2011.
MARTIN, Lisa. (2000), Democratic commitments: legislature and international cooperation. Princeton, Princeton University.
MANSFIELD, E.; BUSCH, M. (1995), “The Political Economy of Nontariff Barriers: A Cross-National Analysis”, International Organization, 49, pp. 723-49.
MENDONÇA, F. A.; RAMAZINI JR, H. “Teorias, Processos e Instituições: Uma análise da Política Comercial Externa do Brasil e dos Estados Unidos”. Projeto “Estados Unidos: impactos de suas políticas para a reconfiguração do sistema internacional” do Instituto Nacional de Estudos sobre os Estados Unidos (INEU), com apoio do CNPQ e desenvolvida no Centro de Estudos de Cultura Contemporânea – CEDEC. 2011 (mimeo)
MILNER, H. V. (1997), Interests, institutions and information. Domestic politics and international relations, Princeton, Princenton University Press.
OLIVEIRA, M. F.. (2005), “Alianças e coalizões internacionais do governo Lula: o Ibas e o G-20”. Revista Brasileira de Política Internacional, vol.48, n.2, pp. 55-69.
_______________. (2007), “Brasil e Estados Unidos: Análise Comparativa dos instrumentos e mecanismos institucionais de Formulação da Política Externa Comercial”. Projeto de Pesquisa referente a Bolsa de Produtividade do CNPQ Nível 2 (mimeo).
OLIVEIRA, Marcelo Fernandes de. “Brasil e Estados Unidos: Interesses, Informação e Instituições no processo de formulação da política de comércio internacional agrícola”. Faculdade de Filosofia e Ciências – UNESP – Campus de Marília: Tese de Livre Docência, 2012.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO. (2002), WT/DS267. United States – Subsidies on upland cotton. Organização Mundial do Comércio. Em . Acesso em 04 mai. 2004.
_______________________________________. (2000), Brazil – Measures Affecting Patent Protection: Request for Consultations by the Unites States. Genebra: Junho. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2004.
_______________________________________. (2001), Brazil – Measures Affecting Patent Protection: Request for the Establishment of a Panel By the United States (WT/DS/199/3). Genebra: Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2004.
_______________________________________. (2001), Brazil – Measures Affecting Patent Protection: Notification of Mutually Agreed Solution (WT/DS199/4 G/L/454 IP/D/23/Add.1). Genebra: Julho. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2004.
_______________________________________. (2001), Declaration on the TRIPS Agreement and Public Health. Doha: Novembro. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2004.
_______________________________________. (2002), DS267. Disponível em . Acesso em 04 mai. 2004.
_________________________________. (2004), United States profile. Disponível em . Acesso em 21 nov. 2004.
_________________________________. (2005), WT/DS267/AB/R. United States – Subsidies on upland cotton. Report of the Appellate Body. Disponível em . Acesso em 04 mar. 2005.
PUTNAM, R. (2010). Diplomacia e política doméstica: a lógica dos jogos de dois níveis. Rev. Sociol. Polit., Curitiba , v. 18, n. 36, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2011.
RISSE-KAPPEN, T. (1991), “Public Opnion, Domestic Structure, and Foreign Policy in Liberal Democracies”. In World Politics, v.43, n.4, p.479-512, jul.
ROGOWSKI, R. (1990), Commerce and Coalitions How Trade Affects Domestic Political Alignments. Princeton, N.J.: Princeton University Press.
ROSSI, C. (2004), “Rifa financia vitória do Brasil contra os EUA”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 de abr. 2004. Disponível em . Acesso em 28 abr. 2004.
SOARES DE LIMA, M. R.; SANTOS, F. (2001), O congresso brasileiro e a política de comércio exterior. In: Lua Nova, nº 53. São Paulo.
SOBRAL, I. (2004), “Brasil vence disputa do algodão contra os Estados Unidos”. O Estado de São Paulo, Brasília, 19 de jun. 2004. Disponível em . Acesso em 19 jun. 2004.
THE NEW YORK TIMES. (2004), “Lobby ruralista determinou vitória do Brasil na OMC”. Disponível em . Acesso em 04 mai. 2004.
THOMAZ, L. F. A influência do lobby do etanol na definição da política agrícola e energética dos EUA (2002-2011). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.
VALOR ECONÔMICO. (2004), “EUA podem levar anos para reduzir subsídios condenados”. São Paulo, A-5, 28 de abril de 2004-a.
Publicado
2018-05-27
Seção
Artigos