Subjetividades digitais

micropolíticas info-comunicacionais e uma introdução programática

Palavras-chave: Subjetividade, Sujeito, Materialidade, Micropolítica, Dispositivo, Experiência

Resumo

Este artigo, de caráter teórico e desenvolvido via método bibliográfico, objetiva a apresentação de parte de uma agenda de pesquisa que situa a materialidade dos artefatos digitais a partir de sua constituição como dispositivos de experiência capazes de abarcar situações políticas, éticas, filosóficas, econômicas, culturais etc. Para tal, a discussão teórica envolve os conceitos de experiência, dispositivo e subjetividade, através de autores como Michel Foucault, Gilles Deleuze, Félix Guatarri, entre outros, possibilitando confronto com a questão digital. Como perspectiva, ao argumentar sobre a discursividade dos dispositivos de experiência a partir da sua capacidade de agenciar, fazer circular e produzir sentidos de comunicação em espaços e tempos próprios, levanta a necessidade de discussão sobre as micropolíticas que os dispositivos de experiência proporcionam na construção de sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jackson da Silva Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Agamben, G. (2009).O que é um dispositivo? // AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.
Bazzul, J. (2016). Ethics and Science Education: how subjectivity matters. Switzerland: Springer, 2016.
Blencowe, C.(2012). Biopolitical Experience: Foucault, Power and Positive Critique.New York, NY: Palgrave Macmillan, 2012.
Bussolini, J. (2010). What is a dispositive? // Foucault Studies 10 (2010) 85-107.
Butler, J. (2017). Sujeição, resistência, ressignificação. In: Butler, J. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte, Autêntica, 2017.
Chignola, S. (2014).Sobre o dispositivo: Foucault, Agamben, Deleuze. // Cadernos IHU ideias, 12:12 (2014) 3-18.
Deleuze, G. (1992). Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1992.Floridi, L. Information ethics: On the philosophical foundation of computer ethics. // Ethics and Information Technology, 1(1999) 37–56.
Foucault, M. (2014a). A Ética Do Cuidado De Si Como Prática De Liberdade. //Foucault, M. Ditos & Escritos V: Ética, Sexualidade, Política. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014a.
Foucault, M. (2014b). As Relações De Poder Passam Para O Interior Dos Corpos. //Foucault, M. Ditos & Escritos IX: genealogia da Ética, Subjetividade e Sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014b.
Foucault, M. (2012a). História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2012a.
Foucault, M. (1988). Life: Experience and Science. In: Foucault, M. Aesthetics, method, and epistemology. [S. l.], The New Press, 1988.
Foucault, M. (2012b). Microfísica do poder. 25. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2012b.
Foucault, M. (2013). O sujeito e o poder. In: Dreyfus, H. L.; Rabinow, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.
González de Gómez, M. N. (2009). A reinvenção contemporânea da informação: entre o material e o imaterial. // Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 2:1(2009) 115-134.
Guattari, F. (1992). Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.
Guattari, F.; Rolnik, S. (2005). Micropolítica: cartografias dodesejo. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.
Lipovetsky, G. (2004). Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.
Marteleto, R. M. (1995). Cultura informacional: construindo o objeto informação pelo emprego dos conceitos de imaginário, instituição e campo social. // Ciência da Informação, 24:1(1995).
Pelbart, P. P. (2000). Subjetividade Contemporânea. //Pelbart, P. P. A vertigem por um fio. São Paulo: Iluminuras, 2000.
Roszak, T. (1988). O culto da informação. São Paulo: Brasiliense, 1988.
Rüdiger, F. (2004). Introdução às teorias da cibercultura: perspectivas do pensamento tecnológico contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2004.
Scott, J. W. (1991) The evidence of experience. // Critical Inquiry, 17: 4 (1991) 773-797.
Vizer, E. A. (2011). A trama (in)visível da vida social: comunicação, sentido e realidade. Porto Alegre: Sulina, 2011.
Publicado
2019-06-28
Como Citar
Medeiros, J. Subjetividades Digitais. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, Vol. 13, nº 2, June 2019, p. 26-35, doi:10.36311/1981-1640.2019.v13n2.03.p26.
Seção
Artigos
Bookmark and Share