RECURSOS INFORMACIONAIS PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS DE SOFTWARE

ABORDAGEM SISTÊMICA

Palavras-chave: Abordagem Sistêmica, Empresas de Software, Construção de Conhecimento, Recursos Informacionais

Resumo

Partindo-se do uso da abordagem sistêmica, realizou-se uma discussão sobre a questão da gestão com pessoas, com vistas à construção de conhecimento em ambientes organizacionais. Para tanto, num primeiro momento, são detalhados elementos da abordagem sistêmica; na sequência, abordam-se questões da gestão com pessoas que poderiam redundar na construção do conhecimento em ambientes organizacionais, dando-se ênfase ao comportamento informacional. A presente pesquisa enfoca o âmbito das empresas de Tecnologia da Informação que se dedicam ao desenvolvimento de softwares, salientando sua caracterização enquanto sistemas sociotécnicos complexos. Salienta-se também a complexidade envolvida nos projetos de software e as inter-relações entre programadores em suas equipes, clientes e stakeholders, estrutura organizacional e aspectos da Engenharia de Software. Consideram-se os fluxos informacionais tanto formais quanto informais, como sendo o elemento agregador dos distintos componentes do sistema sociotecnico, que permite a eficácia na realização do trabalho. Portanto, foi efetuado um estudo de casos múltiplos em duas organizações de desenvolvimento de software para verificar a consistência dos fluxos informacionais, referentes ao compartilhamento da informação e sua formalização, especificamente. A abordagem utilizada foi a quantitativa, aplicando-se questionários com escala de Likert para os colaboradores das empresas, que foram analisados mediante a estatística descritiva. Apurou-se, desta forma, a necessidade de equilibrar os fluxos informacionais, principalmente melhorando o aspecto do registro ou documentação de informações. Por fim, são feitas as considerações finais, com o intuito de se busca inter-relacionar os elementos abordados no estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássia Regina Bassan de Moraes, Universidade Estadual Paulista, campus de Marília

Doutora e mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Marília.   Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista  Júlio de Mesquita Filho, Campus de Assis. Atualmente exerce o cargo de Diretora da Faculdade de Tecnologia de Garça (FATEC - Garça). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação na Unesp - Marília - SP. Experiência na área de Psicologia Organizacional, atuando principalmente nos seguintes temas: administração; gestão de pessoas, cultura organizacional, comportamento, ambiente informacional, informação e gestão do conhecimento nas organizações. Membro do Grupo de Pesquisa "Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional" da FFC - Unesp-Marília.

Marta Lígia Pomim Valentim, Universidade Estadual Paulista, campus de Marília

Professora Titular da Universidade Estadual Paulista (Unesp), 2018. Pós-Doutorado pela Universidad de Salamanca (USAL), Espanha, 2012. Livre Docente em Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional pela Unesp, 2009. Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), 2001. Mestre pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), 1995. Docente de graduação e pós-graduação da Unesp, campus de Marília. Bolsista Produtividade em Pesquisa (PQ-1D) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) na área de inteligência organizacional, gestão da informação, gestão do conhecimento e cultura informacional desde 2002. Líder do Grupo de Pesquisa Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional. Coordena o projeto de pesquisa Inteligência organizacional e inteligência social no contexto do big data: análise de dados para a geração de diferenciais competitivos. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Unesp, campus de Marília, gestão 2017-2021. Organizadora e autora de vários livros na área. Presidente da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), gestão 2016-2019. Exerceu o cargo de Vice-Presidente da Asociación de Educación e Investigación en Ciencia de la Información de Iberoamérica y el Caribe (EDICIC), gestão 2009-2011. Exerceu a coordenação do Grupo de Trabalho Gestão da Informação e do Conhecimento nas Organizações (GT-4), da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ANCIB), gestão 2009-2010. Exerceu o cargo de Presidente da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), gestão 2001-2004. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4248-5934 ResearcherID: B-9099-2012 Lattes: http://lattes.cnpq.br/1484808558396980

Leonardo Pereira Pinheiro de Souza, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Ciência da Informação na UNESP, campus de Marília. Mestre em Ciência da Informação pela UNESP. Membro do grupo de pesquisa Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional, do departamento de Ciência da Informação da UNESP, campus de Marília. Pós-graduado lato sensu em Desenvolvimento de Software para Web pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Faculdade Estadual de Tecnologia- FATEC Garça, em 2012.

Referências

Araújo, L. C. G.; Garcia, A. A. (2009). Gestão de pessoas: estratégias e integração organizacional. São Paulo: Atlas.

Araújo, N. C.; Fachin, J. (2015). Evolução das fontes de informação. // BIBLOS - Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação. 29: 1 (2015) 81-96. http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/23206. Acesso em: 10 ago. 2019.

Araújo, V. M. R. H. (1995). Sistemas de informação: nova abordagem teórico-conceitual. // Ciência da Informação. 24:1 (Janeiro/ abril 1995) 54-76. http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/610/612. (30-04-2019).

Associação Comercial e Industrial de Garça. (2019). Sobre a ACIG. Garça: 2018. https://garcaonline.com.br/acig/sobre-a-acig (08-03-2019).

Baxter, G.; Sommerville, I. (2011). Socio-technical systems: From design methods to systems engineering. // Interacting with Computers. 23:1 (2011) 4- 17. https://doi.org/10.1016/j.intcom.2010.07.003. Acesso em: 06 mar. 2019.

Bertalanffy, L. Von et al. (1976). Teoria dos sistemas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1976.

Cavalcanti, M. F.; Paula, V. A. F. Teoria Geral de Sistemas I. // Martinelli, D. P.; Ventura, C. A. A. Visão sistêmica e administração: conceitos, metodologias e aplicações. São Paulo: Saraiva, 2006. 1-14.

Centro Incubador de Empresas de Marília (2019). Marília recebe reconhecimento de APL em TI. Marília: 2019. http://ciem.univem.edu.br/marilia-recebe-reconhecimento-de-apl-em-ti/ (08-03-2019).

Chiavenato, I. (1999). Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus.

Choo, C. W. (2002). Information management for the intelligent organization: the art of scanning the environment. 3 ed. Medford (NJ): Information Today, 2002.

Coiera, E. (2007). Putting the technical back into socio-technical systems research. International journal of medical informatics. 76:1 (Junho 2007) S98- S103. https://doi.org/10.1016/j.ijmedinf.2006.05.026 ( 05-03-2019).

Davenport, T. H. (2001). Capital humano: o que é e por que as pessoas investem nele. São Paulo: Nobel, 2001.

Davenport, T. H.; Prusak, L. (2001). Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 2001.

Fowler, M. (2005). UML essencial: um breve guia para a linguagem-padrão de modelagem de objetos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Kanaane, R. (1999). Comportamento humano nas organizações: o homem rumo ao século XXI. São Paulo: Atlas, 1999.

Kim, K. S., Sin, S. C. J.(2011). Selecting quality sources: Bridging the gap between the perception and use of information sources. // Journal of Information Science 37:2 (2011) 178–188. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0165551511400958. Acesso em: 01 ago. 2019.

Leckie, G. J.; Pettigrew, K. E.; Sylvain, C. (1996). Modeling the information seeking of professional: a general model derived from research on engineers, health care professionals and lawyers. Library Quarterly. 66:2 (Abril 1996) 161-193. https://www.jstor.org/stable/4309109?seq=1#page_scan_tab_contents (30-04-2019).

Martínez-Silveira, M.; Odone, N. (2007). Necessidades e comportamento informacional: conceituação e modelos. Ciência da Informação, Brasília. 36:1(Maio/agosto 2007) 118-127. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v36n2/12.pdf. Acesso em: 30 abr. 2019.

Marchand, D. A., Kettinger, W., Rollins, J. D. (2001). Information Orientation: the link to business performance. Oxford: Oxford University Press.

Moraes, C. R. B.; Fadel, B. (2008). Triangulação metodológica para o estudo da gestão da informação e do conhecimento em organizações. // Valentim, M. L. P. (org.). Gestão da informação e do conhecimento no âmbito da Ciência da Informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008. 27-40.

Nonaka, I., Takeuchi, H. (2008). A empresa criadora de conhecimento.//Takeuchi, H., Nonaka, I. (Orgs.). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman. 2008 39-53.

Nonaka, I., Toyama, R. (2008). Criação do conhecimento como processo sintetizador.//Takeuchi, H., Nonaka, I. (Orgs.). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman. (2008) 91-117.

Rapoport, A. (1976). Aspectos matemáticos da análise geral dos sistemas. In: Bertalanffy, L. von et al. Teoria dos sistemas. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1976. 21-46.

Robbins, s. (2005). Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Santos, C. D.; Valentim, M. L. P. (2014). As interconexões entre a gestão da informação e a gestão do conhecimento para o gerenciamento dos fluxos informacionais. // Perspectivas em Gestão & Conhecimento. 4:2 (Julho/dezembro 2014) 19- 33. http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/pgc/article/view/17897/12245 (06-03-2019).

Shaydulin, R.; Sybrandt, J. (2017). To Agile, or not to Agile: A Comparison of Software Development Methodologies. // ArXiv.org.1:1(Abril 2017) 1- 11. Disponível em: https://arxiv.org/pdf/1704.07469.pdf. Acesso em: 07 mar. 2019.

Sommerville, I. (2007). Engenharia de software. 8.ed. São Paulo: Pearson Education, 2007.

Souza, L. P. P.; Moraes, C. R. B. (2018). Conhecimento explícito, desafios produtivos e desenvolvimento de software. //Anais do 19. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação: Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2018. 2891- 2898. http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XIXENANCIB/xixenancib/paper/viewFile/850/1594 (28-12-2018).

Tachizawa, T.; Ferreira, V. C. P.; Fortuna, A. A. M. (2004). Gestão com pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

Takeuchi, H.; Nonaka, I. (2008). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

Valentim, M. L. P. (2008). Informação e conhecimento em organizações complexas. // Valentim, M. L. P. (org.). Gestão da informação e do conhecimento no âmbito da Ciência da Informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2008. 11-26.

Wilson, T. D. (2000). Human information behavior. // Informing Science. 3:2 (2000) 49-53. Disponível em: http://inform.nu/Articles/Vol3/v3n2p49-56.pdf. Acesso em: 30 abr. 2019.

Woodworth, W. P. (1976). Perspectivas sobre a teoria dos sistemas. // Bertalanffy, L. von et al. Teoria dos sistemas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1976. ix-xxiii.

Zwass, V. (2019). Information System. // Encyclopaedia Britannica. www.britannica.com/topic/information-system#ref729635 ( 04-03-2019).

Publicado
2019-09-27
Como Citar
MORAES, C.; VALENTIM, M.; SOUZA, L. RECURSOS INFORMACIONAIS PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS DE SOFTWARE. Brazilian Journal of Information Science: research trends, v. 13, n. 3, p. 14-25, 27 set. 2019.
Seção
Artigos