Brazilian Journal of Information Science: Research Trends http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis <p>O Brazilian Journal of Information Science: Research Trends (BRAJIS) -- ISSN 1981-1640 -&nbsp; é uma revista científica de acesso aberto com periodicidade trimestral, publicada pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"- UNESP, campus de Marília-SP.&nbsp;</p> <p>O Brazilian Journal of Information Science (BRAJIS) iniciou sua publicação com o v.0, n.0, de junho/dezembro de 2006.&nbsp;</p> <p>Os textos submetidos para publicação devem ser textos originais, no formato de artigo contendo resultados de pesquisa na área de Ciência da Informação, incluindo Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. O texto pode estar escrito em português, inglês ou espanhol.&nbsp;</p> <p>A revista possui uma política de avaliação no sistema "blind review", e cada texto será encaminhado para avaliação por pelo menos dois <em>referees</em>.</p> <p>Brajis adota o modelo de acesso aberto, não há cobrança de taxas de submissão ou avaliação (APC).</p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/" rel="license"><img src="http://i.creativecommons.org/l/by-sa/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License"></a><br>Os artigos são licenciados sob&nbsp; <a href="http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/" rel="license">Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License</a>.&nbsp;</p> Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp campus de Marília pt-BR Brazilian Journal of Information Science: Research Trends 1981-1640 <p><span style="font-family: Verdana;"><span style="font-size: small;">Ao&nbsp;submeter um artigo&nbsp;os autores mantêm os direitos autorais do mesmo, cedendo à Revista Brazilian Journal of Information Science plenos direitos para publicação do referido texto.&nbsp;</span></span></p> <p><span style="font-family: Verdana;"><span style="font-size: small;">O (s) autor (es) concorda(m) que o artigo, se aceito editorialmente para publicação, deve ser licenciado sob a licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International (CC BY-SA 4.0) (http://creativecommons.org/licenses/by-sa /4.0) Os leitores / usuários são livres para: - Compartilhar - copiar e redistribuir o material em qualquer meio ou formato - Adaptar - remixar, transformar e desenvolver o material para qualquer finalidade, mesmo comercialmente. O licenciante não pode revogar essas liberdades desde que você siga os termos da licença. Sob os seguintes termos: - Atribuição - Você deve dar o crédito apropriado, fornecer um link para a licença e indicar se foram feitas alterações. Você pode fazê-lo de qualquer maneira razoável, mas não de maneira que sugira que o licenciante endossa você ou seu uso. - ShareAlike - Se você remixar, transformar ou desenvolver o material, deverá distribuir suas contribuições sob a mesma licença que o original. Sem restrições adicionais - Você não pode aplicar termos legais ou medidas tecnológicas que restrinjam legalmente outras pessoas a fazer o que a licença permitir. Avisos: - Você não precisa cumprir a licença para elementos do material em domínio público ou nos casos em que seu uso é permitido por uma exceção ou limitação aplicável. - Não há garantias. A licença pode não fornecer todas as permissões necessárias para o uso pretendido. Por exemplo, outros direitos, como publicidade, privacidade ou direitos morais, podem limitar a maneira como você usa o material.</span></span></p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/" rel="license"><img src="http://i.creativecommons.org/l/by-sa/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License"></a>&nbsp;<a href="http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/" rel="license">Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License</a></p> Editorial http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/9981 <p>.</p> Editor BRAJIS ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 6 6 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.01.p6 Social epistemology in information studies http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/9839 <p>The present paper aims to provide new details and information on the intellectual context in which social epistemology was born, including aspects such as its theoretical influences, intellectual contexts, and main characteristics. As methodology it presents an analysis of the writings on social epistemology by Jesse Shera and Margaret Egan selected from different and sometimes rare sources and collection. After an the analysis, the paper addresses the relationship between the historical social epistemology proposed by Margaret Egan and Jesse Shera as a discipline to investigate the foundations of librarianship and the contemporary social epistemology proposed by Steve Fuller as a program of a “naturalistic approach to the normative questions surrounding the organization of knowledge processes and products.” Both these proposals are outlined as an interdisciplinary project that is based on both philosophical epistemology and the scientific sociology of knowledge.</p> Daniel Martínez-Ávila Tarcísio Zandonade ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 7 36 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.02.p7 O entrelaçamento da memória e da informação no âmbito do processo de referência http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/8643 <p>A presente comunicação tem por objetivo refletir sobre o processo de referência, no qual compreende-se que as particularidades da memória e da informação se fazem presentes no decorrer do processo, como pontos que se entrelaçam e influenciam antes, durante ou mesmo depois do serviço de referência ser finalizado. Entende-se que é por intermédio do processo de referência que se tem o momento ímpar da comunicação interpessoal entre o usuário e o bibliotecário. Com base nessa relação entre os atores, a metodologia a ser aplicada é a análise das etapas existentes no processo de referência à luz de Denis Grogan, aliada a reflexão sobre as implicações conceituais da memória e da informação. Em complemento, é basilar o relacionamento do conceito de agir comunicativo e processo dialógico para refletir sobre a qualificação da comunicação interpessoal entre os atores, além de promover um estado de consciência informacional. As reflexões propostas são promissoras quanto à revisão do serviço de referência, a inovação do próprio conceito de comunicação interpessoal e a integração dos atores envolvidos no processo de referência com a biblioteca.</p> Alex Medeiros Kornalewski Francisco Ramos de Farias ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 37 56 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.03.p37 Direito autoral, plágio e coautoria http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/8889 <p>Direito autoral, plágio e coautoria são temas que despertam controvérsia no meio acadêmico, especialmente sob parâmetros éticos e legais. O objetivo geral deste artigo é entender, na perspectiva do direito autoral, do não plágio e da coautoria, como pode ser feito o uso de informações e seu pertencimento, de outrem, sem ter atitude antiética ou antijurídica, bem como, desmistificar o autoplágio. Para tal, a questão de pesquisa foi: “Sob a perspectiva do direito autoral, do não plágio e da coautoria, como pode ser feito o uso de informações suas ou de outrem e seu pertencimento, sem ter atitude antiética ou antijurídica?” A metodologia utilizada basicamente é a pesquisa bibliográfica e de reflexão, utilizando argumentos qualitativos. Como resultado tem-se um importante debate que envolve dois lados problemáticos de uma “mesma moeda”. De um lado estão os que mais produzem obras, com suas pesquisas e escritas, as editoras, os periódicos, os cursos e os órgãos reguladores; e do outro lado estão os que são solicitados (obrigados) a produzir em quantidade e qualidade e não se adéquam bem a essa exigência, assim acabam recorrendo aos “vendedores de trabalhos acadêmicos”, copiando partes ou integralmente o trabalho de outros ou repetindo seu trabalho já feito como algo novo. Sabe-se que para atender as exigências acadêmicas de produção, muitos usam de subterfúgios não éticos para conseguirem seus objetivos, outros se aproveitam fazendo disso um negócio. Os órgãos de regulação e fiscalização tentam atuar e inibir tal prática como é o caso da criação da Lei dos Direitos Autorais, dos produtos de <em>software</em> de detecção de plágio e outros. No entanto, essa prática está longe de ser eliminada. Esse artigo discutirá os vários desdobramentos que tem a questão do direito autoral, do plágio e da coautoria, instigando para uma reflexão da própria academia, não apenas sobre as atitudes dos alunos, mas também dos professores e dos pesquisadores. Concluímos que nem tudo que parece ser crime assim o é, e que é preciso rever as práticas e as exigências que tentam fazer do pesquisador um produtor em série de publicações, sem relativizar a condenação da prática antiética da falsa autoria.</p> Roberto Vilmar Satur Guilherme Ataide Dias Armando Manuel Barreiros Malheiro da Silva ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 57 87 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.04.p57 Revistas científicas em acesso aberto brasileiras no DOAJ http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/9695 <p>No acesso aberto, é possível constatar uma grande variedade de modelos de negócio. O propósito desta pesquisa foi mapear os modelos de negócio das revistas científicas em acesso aberto brasileiras no Directory of Open Access Journals (DOAJ) com ênfase em sua sustentabilidade financeira. Como método de pesquisa, foi realizado um levantamento bibliográfico e documental, com coleta de dados, observando os existentes e possíveis tipos de modelo de negócio para as revistas em acesso aberto. Os dados foram classificados conforme campo do conhecimento coberto pela revista. A análise foi feita baseada no contexto da publicação científica no Brasil, na literatura e nas informações obtidas com os periódicos. Os resultados apontam a prevalência de três modelos de negócio no Brasil, relacionados às taxas de processamento dos artigos. Observou-se que a cobrança das taxas ainda é pouco utilizada no Brasil. Sobre os valores cobrados pelas APCs, observou-se grande variabilidade, apontando uma ausência de valores de referência. Conclui-se que a predominância do financiamento externo demonstra vulnerabilidade econômica dos periódicos. A adoção do modelo de negócio misto, de financiamento externo aliado à cobrança de taxas, mostrou-se como alternativa momentânea, mas o acesso aberto exige uma reformulação de seus modelos de negócio.</p> Vinicius Pereira Ariadne Chloe Furnival ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 88 111 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.05.p88 Indicadores alternativos e tradicionais da Revista Estudos Feministas Brasileira http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/9255 <p>A conexão de indicadores tradicionais e alternativos de impacto acadêmico têm sido recomendados por estudiosos do campo dos estudos métricos por serem considerados complementares e oferecerem um quadro mais completo da avaliação de resultados de pesquisa. A partir dessa perspectiva o presente estudo de cunho exploratório descritivo, teve o objetivo de analisar o coeficiente de correlação entre o impacto tradicional e alternativas da Revista Estudos Feministas. A amostra constituiu o período de 2001 a 2018. Os dados de análise foram obtidos na base Dimensions via API. Foram analisados 1.296 textos que contaram com 2.609 citações e 5.982 dados altmétricos. Os resultados apontaram que o Mendeley obteve uma avaliação positiva na correlação do coeficiente de Pearson ao ser comparada com o quantitativo de artigos publicados e com os indicadores de citação e visibilidade. O estudo detectou que os dados altmétricos são 4,6 vezes maiores que o tradicional, apesar de flutuantes eles são importantes para a indicação das ferramentas e redes onde estão os leitores e usuários que compartilham conteúdo científico.</p> Juliana Fachin Ronaldo Ferreira Araújo Ursula Blattmann ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 112 129 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.06.p112 The use of econometric models in studies of Eletricity Generation from biomass http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/9270 <p>A presente pesquisa investigou a utilização de modelos econométricos em estudos relacionados à geração de energia elétrica a partir de biomassa, por meio de uma análise bibliométrica. O objetivo geral do estudo foi analisar as publicações, a partir de 1987 até 2018, que exploraram as potencialidades dos modelos econométricos em trabalhos envolvendo biomassa para geração de eletricidade. Complementarmente, pretendeu-se averiguar os artigos e autores mais citados, buscando verificar as temáticas, até então, mais relevantes e as principais técnicas econométricas utilizadas nas análises; constatar os países mais engajados nestas pesquisas, traçando um paralelo com suas atuais estratégias energéticas; identificar as tendências futuras de estudos nesta área. &nbsp;Para isso, foi utilizada a base de dados da SCOPUS, selecionando-se artigos em língua inglesa, a partir das palavras-chave “Econometrics, Biomass e Electricity”. Os dados coletados com a revisão de literatura foram compilados em mapas temáticos, com auxílio do software Vosviewer, que realizou análise de citação, co-citação, co-autoria e palavras-chave. Foi utilizado ainda o software SciMat, que gerou a partir dos termos chave, mapas estratégicos longitudinais que permitiram identificar tendências futuras sobre a temática debatida neste artigo. Os resultados apontaram que os principais fronts de pesquisa neste campo, estão relacionados ao uso da econometria para se estimar os impactos da geração de energia a partir de biomassa em variáveis como crescimento econômico, demanda energética e emissões de gases do efeito estufa.</p> Luís Oscar Silva Martins Roberto Antônio Fortuna Carneiro Fábio Matos Fernandes Marcelo Santana Silva Francisco Gaudêncio Mendonça Freires Ednildo Andrade Torres ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 130 172 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.07.p130 Gestão de dados de protocolo em laboratórios de biologia http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/9174 <p>O objetivo da organização da informação é disseminar objetos informacionais para os usuários. É uma tarefa complexa e importante que usa elementos como a forma e o conteúdo informacional dos documentos. O organização da informação é um pré-requisito para uma organização eficiente. Laboratórios de pesquisa são exemplos de organizações que têm uma necessidade informacional rica e complexa, que precisa ser bem organizada. O fluxo da informação nestas organizções precisa ser mapeado identificando pessoas, fontes informacionais, tecnologias usadas além de produtos e serviços. Neste trabalho apresentamos o sistema FluxP para organizar a informação sobre protocolos em um laboratório de pesquisas biológicas, o Laboratório de Venenos e Toxinas Animais (LVTA), da UFMG. O sistema FluxP é capaz de gerenciar os protocolos simplificando o armazenamento e recuperação de protocolos para realização de experimentos, aumentando a confiabilidade dos mesmos e reduzindo erros experimentais. Por estabelecer um repositório central para protocolos, FluxP garante que protocolos não serão perdidos categorizando os mesmos e simplificando sua recuperação através de palavras chave. O sistema está atualmente sendo usado pelo LVTA para gerenciar uma coleção de 50 protocolos, e pode ser facilmente adaptável para outros laboratórios.</p> Célia Consolação Dias Gabriel Teixeira Alessandra Conceição Faria Aguiar Campos Alexandre Alphonsos Germano Leite Maria Elena Lima Sergio Campos ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-03-27 2020-03-27 14 1 jan.-mar 173 190 10.36311/1981-1640.2020.v14n1.08.p173