O CAMINHO DA RAZÃO E DA ESPERANÇA: O PENSAMENTO SOCIAL DE CELSO FURTADO– DESENVOLVIMENTO, PLANEJAMENTO E EDUCAÇÃO NO BRASIL

Palavras-chave: Plano Trienal, Plano Nacional de Educação, Intelectuais

Resumo

Este artigo trata do pensamento social de Celso Furtado e de suas contribuições na interpretação sobre o Brasil, sua trajetória como intelectual, idealizador e gestor da SUDENE, além de sua experiência como o primeiro ministro da República na pasta do Planejamento. Em suas reflexões, cuidou especialmente em discutir a função estratégica do fator humano, elemento que o aproximou da questão educacional e de seus problemas do país. Furtado foi responsável pela construção do Plano Trienal, no Governo Jango, conjugando no setor Educação o Plano Nacional de Educação (1962), conviveu com Darcy Ribeiro, o então Ministro da Educação e Anísio Teixeira, membro do Conselho Federal de Educação e relator do documento final do P.N.E. O ideário de Celso Furtado, mesmo com a ênfase nas análises sócio-histórico-econômicas, não deixou de pensar a Educação como uma das bases para o desenvolvimento nacional.

Recebido em: 19/02/2016.
Aprovado em: 24/02/2017.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

LINCOLN DE ARAÚJO SANTOS

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Referências

BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Volumes 1 e 2. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.

FURTADO, Rosa Freire D’Aguiar. A História de Um Plano. In. Arquivos Celso Furtado 4: O Plano Trienal e o Ministério do Planejamento. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2011. p. 7-22.

EARP, Fábio Sá; PRADO, Luiz Carlos Delorme. Celso Furtado. In. FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão (Orgs.). Nacionalismo e reformismo radical (1945-1964). Rio de Janeiro: Grupo Editorial Record, 2007. p. 377-408.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez Editora, 1989.

FURTADO, Celso. Em Busca de Um Novo Modelo – Reflexões Sobre a Crise Contemporânea. Rio de Janeiro: Paz e Terra Editora, 2002.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1974.

FURTADO, Celso. Um projeto para o Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Saga, 1969.

FURTADO, Celso. A Nova dependência: dívida externa e monetarismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra Editora, 1982.

FURTADO, Celso. O Longo amanhecer. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra Editora, 1999.

FURTADO, Celso. Obra autobiográfica. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

FURTADO, Celso. Depoimento. In: JANGO. Direção: Silvio Tendler. Produção: Caliban Produções Cinematográficas LTDA. 1984.

HOBSBAWM, Eric. A Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MACEDO, Roberto B. M. Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social (1963-1965). In: MINDLIN, Betty. Planejamento no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva, 2003.

FUNDAÇÃO DARCY RIBEIRO. Plano Trienal de Educação. 1962.09.00, v. 12, p.43-44.

RIBEIRO, Darcy. Confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

RIBEIRO, Darcy. Carta: falas, reflexões, memórias. Brasília. DF: Senado Federal. 1994. (n. 1).

SANTOS, Lincoln de Araújo. Entre a utopia e o labirinto: democracia e autoritarismo no pensamento educacional brasileiro dos anos 1980. Rio de Janeiro: FAPERJ; Quartet, 2011.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas. São Paulo: Autores Associados, 2007.

Publicado
2017-06-12
Seção
Artigos