EPISTEME COMO MODO DE DES-VELAMENTO: UM OLHAR A PARTIR DE MARTIN HEIDEGGER

  • Murilo Cardoso de Castro Doutor em Bioética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • João Cardoso de Castro Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Palavras-chave: Epistemologia, Ciência, Heidegger, Aristóteles

Resumo

Nosso propósito é situar o que se convencionou chamar como “ciência”, a episteme do pensamento grego antigo. Como podemos situá-la em relação ao que em nossos dias denominamos igualmente “ciência”. Encontra-se a episteme grega aquém ou além do que entendemos como ciência? Ou, seria a episteme grega algo totalmente outro? Formulando ambas questões de modo mais sintético e claro: Qual é o estatuto da episteme antiga em relação à ciência moderna? Percorrendo as reflexões de Heidegger sobre Aristóteles, quanto os modos de desvelamento na "Ética a Nicômaco" e quanto aos graus de visão na "Metafísica" Livro Alpha, tentamos responder às questões propostas. Concluimos que a episteme não está nem aquém nem além da ciência, sendo totalmente outra que esta.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-03
Seção
Artigos