A Linguagem do Educador e a Autonomia Moral

  • Mariana Guimarães Wrege
  • Beatriz Gracioli Andrade
  • Gabriela Caldeira Aranha
  • Nicole Stephania Strohmayer Lourencetti
Palavras-chave: Personalidade ética, Autonomia moral, Linguagem do educador

Resumo

Uma das funções primordiais da escola é a formação de cidadãos críticos, honestos, solidários, éticos e comprometidos com o mundo em que vivem. Entretanto, dependendo da forma como ocorre a comunicação entre a escola e os alunos, pode-se tanto favorecer quanto prejudicar o desenvolvimento
moral desses últimos. Tendo como referencial a teoria construtivista piagetiana, tivemos como objetivo refletir sobre as implicações da linguagem do educador à construção da autonomia moral do aluno. Concluímos que a linguagem valorativa: reforça a heteronomia, diminui a autoestima, dificulta a aprendizagem, e provoca diversos sentimentos negativos, tais como: culpa, ansiedade, medo e raiva. Já a linguagem descritiva favorece: a autonomia, a tomada de consciência das próprias ações e suas consequências, o desenvolvimento do autoconhecimento, a melhora da autoestima, a internalização de valores universalmente desejáveis e as relações interpessoais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FABER, A.; MAZLISH, E. Como falar para seu filho ouvir e como ouvir para seu filho
falar. São Paulo: Summus, 2003.
FABER, A.; MAZLISH, E. Como falar para o seu aluno aprender. São Paulo: Summus,
2005.
GINOTT, H. Comunicação Congruente. In: O professor e a criança. Rio de janeiro, Block
Edições, 1973, p. 55-83.
_____________. Elogio: Uma nova atitude. Pais e jovens. Rio de Rio de janeiro, Block
Edições, 1975, p. 71-78.
LA TAILLE, Y. Cognição, afeto e moralidade. In: OLIVEIRA, M. K.; REGO, T. C.;
SOUZA, D. T. R. (org.) Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São
Paulo: Moderna, 2002, p. 135-158.
_______________. Moral e ética: Dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre: Artmed,
2006.
LICCIARDI, L. M. S. Investigando os conflitos entre as crianças na escola. Dissertação
(Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas,
Campinas, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2011.
MENIN, M. S. S. Escola e Educação Moral. In: Montoya, A. O. D. (org) Psicologia da
Educação: Desafios e Avanços. Campinas: Mercado de Letras, 2007, p. 45-62.
PIAGET, J. O Juízo Moral na Criança. São Paulo: Summus, 1994 (Originalmente publicada em 1932).
RAMOS, A. As relações interpessoais em classes difíceis e não difíceis do ensino fundamental II: um olhar construtivista. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013. Disponível em:
. Acesso em:
06 fev. 2014.
TREVISOL, M. T. C.; AMARAL, P. M. S. D. A educação moral na escola: análise de experiências na Educação básica. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2014.
TOGNETTA, L. R. P. A construção da solidariedade e a educação do sentimento na escola: uma proposta de trabalho com as virtudes numa visão construtivista. Campinas,
SP: Mercado de Letras, 2003.
Volume 6 Número 2 – Ago-Dez/2014 132
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
TOGNETTA, L. R. P.; VINHA, T. P. Apresentação. In: TOGNETTA, L. R. P. É possível
superar a violência na escola? São Paulo: Editora do Brasil, 2012.
VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil: uma visão construtivista. Campinas,
SP: Mercado de Letras, 2000.
_______________. Os conflitos interpessoais na relação educativa. Tese (Doutorado em
Educação) - Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas, 2003.
WREGE, M. G. Escolas democráticas: um olhar construtivista. Dissertação (Mestrado em
Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas,
2012. Disponível em: . Acesso
em: 15 jul. 2014.
Publicado
2015-01-28
Seção
Artigos