DIMENSÕES INTELECTUAL E AFETIVA DO JUÍZO MORAL DE ESTUDANTES SOBRE MANIFESTAÇÕES DE PRECONCEITO

  • Carlos Eduardo de Souza Gonçalves Doutorando em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Francismara Neves de Oliveira Professora Associada da Universidade Estadual de Londrina (UEL)
Palavras-chave: Juízo moral, Preconceito, Ensino Médio

Resumo

O artigo apresenta uma análise relativa ao juízo moral de alunos de um curso técnico integrado ao Ensino Médio regular, ofertado por instituição pública federal de educação técnica e tecnológica na região norte-paranaense. Dois estudantes com idade de 18 anos participaram do estudo. Ancorou-se no aporte teórico das dimensões psicológicas intelectual e afetiva da ação moral propostos por La Taille (2009; 2006) e na teoria de Jean Piaget (1896-1980). Foram analisadas categorias inerentes às dimensões psicológicas da ação moral, evidenciadas em juízos morais emitidos sobre situação hipotética de manifestações de preconceito em sala de aula. Na modalidade de estudo de caso, pautou-se no método clínico-crítico piagetiano, o qual orientou a construção de entrevista semiestruturada, coleta e análise dos dados. Os resultados revelam distintas construções morais sobre atos de preconceito. É possível concluir que as construções desenvolvidas pelos entrevistados para os dilemas morais revelaram-se contrastantes, tanto em dimensões intelectuais como afetivas, sendo que, no geral, P1 apresentou argumentos moralmente mais desenvolvidos do que P2.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-01-31
Seção
Artigos