A NOÇÃO DE JUSTIÇA NO TRÂNSITO NA PERSPECTIVA DE UMA ADOLESCENTE DO ENSINO MÉDIO DA REDE PÚBLICA DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO PRELIMINAR COM BASE NA TEORIA PIAGETIANA

  • Taciana Brito de Moura Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Maria Luiza Rheingantz Becker Professora Titular do Departamento de Estudos Básicos (DEBAS) da Faculdade de Educação (FACED) da Universidade Federal do Rio Grande de Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Noção de Justiça, Desenvolvimento Moral, Adolescente, Trânsito

Resumo

Este artigo apresenta um estudo de caso que investiga a noção de justiça no trânsito presente nas respostas de uma adolescente do ensino médio da rede pública de Porto Alegre à uma entrevista realizada como estudo piloto para uma pesquisa de mestrado. O estudo é realizado com base na teoria piagetiana por sua relevância para as pesquisas sobre desenvolvimento moral na atualidade. A metodologia utilizada foi um roteiro de entrevista inspirado no Método Clínico de Jean Piaget. Destaca-se o processo de elaboração deste instrumento, que conta, dentre outros recursos, com dilemas elaborados a partir de histórias fictícias sobre o tema investigado. Após a realização de estudos pilotos, os resultados mostram que o roteiro de entrevista está adequado para ser aplicado aos casos múltiplos da referida pesquisa de mestrado. Quanto à noção de justiça presente nos argumentos apresentados neste estudo de caso, verifica-se que transitam entre as noções de justiça retributiva e distributiva, com maior incidência na justiça distributiva. Dessa forma, infere-se que as respostas apresentam descentração e reflexão compatíveis com a transição da heteronomia para a autonomia e da transição entre a ênfase na igualdade para a busca de equidade no juízo moral. Os dados analisados são esclarecedores para a compreensão da trajetória do pensamento da adolescente investigada, abrindo possibilidades de análise para os casos múltiplos e pesquisas futuras. Espera-se que esses resultados contribuam para o debate sobre a temática abordada e sobre as possibilidades de aprendizado e utilização das contribuições do Método Clínico na pesquisa qualitativa com entrevistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-01-31
Seção
Artigos